Artigo

Por que a pálpebra cai?

Por que a pálpebra cai?

Os efeitos do envelhecimento são a causa mais comum de por que a pálpebra cai. Entre eles, está a perda de sustentação e elasticidade tanto dos músculos quanto da pele ao redor dos olhos. Contudo, o problema ainda pode ocorrer devido a causas neurológicas, mecânicas e congênitas.

Muitas vezes, a pálpebra caída, ou ptose, confere um semblante triste e cansado. Mas não se trata apenas de uma questão de aspecto, pois a visão também pode ser prejudicada.

A seguir, compreenderemos os motivos desse problema.

Entenda os 4 motivos por que a pálpebra cai

A pálpebra caída pode se manifestar em qualquer idade. As causas podem ser:

  1. Involucional ou senil – causada pelo enfraquecimento do músculo elevador das pálpebras em decorrência do envelhecimento.
  2.  Neurológica – provocada por uma doença neuromuscular chamada miastenia gravis, que gera fraqueza anormal dos músculos voluntários. Com isso, o paciente perde o controle da pálpebra e não consegue abrir os olhos.
  3.  Congênita – resultado da falta de desenvolvimento do músculo elevador da pálpebra e de seu tendão durante a gestação.
  4.  Mecânica – ocorre em função de tumores ou cicatrizes nas conjuntivas. Há também uma condição chamada pseudoptose, que se caracteriza pelo excesso de pele nas pálpebras.

Quando a ptose tem origem neurológica, o tratamento deverá ser feito por um neurologista. Nos demais casos, a correção pode ser feita com cirurgia plástica, como veremos.

Saiba como é feita a cirurgia para correção da pálpebra caída

A cirurgia nas pálpebras é denominada blefaroplastia. Ela é indicada para melhorar a aparência e em casos de redução do campo de visão, peso nos olhos e vista cansada. Estes últimos são sinais de que a pálpebra caída ou o excesso de pele nas pálpebras já estão atrapalhando a saúde.

Entenda em que consiste a blefaroplastia

Na pálpebra superior, a cirurgia é feita através de uma incisão na prega da região. Isso permite o reposicionamento dos depósitos de gordura, contração dos músculos e tecidos ou remoção do excesso de pele.

Na pálpebra inferior o procedimento consiste em uma incisão abaixo da linha do cílio para remoção do excesso de pele. A incisão transconjuntival, que fica oculta dentro da pálpebra inferior, também é utilizada para corrigir imperfeições e redistribuir ou remover o excesso de gordura.

Normalmente a cirurgia é executada sob anestesia local, junto com sedativos orais ou intravenosos. Em raros casos, recorre-se à anestesia geral. O procedimento dura cerca de 90 minutos.

Os pontos são retirados após três ou cinco dias, quando as tiras autoadesivas podem ser utilizadas para reforçar a cicatriz. Elas devem ser removidas após o sétimo dia de cirurgia, o que pode ser feito pelo próprio paciente.

A cicatriz fica quase invisível, escondida nos sulcos naturais das pálpebras.

No pós-operatório, apesar de o olho estar inchado e roxo, o paciente não costuma sentir dor. Entretanto, pode apresentar sensação de incômodo ao piscar e fechamento incompleto do olho. Em alguns casos, há também a sensação de olho seco.

O paciente deve se manter afastado das atividades de rotina por cerca de cinco dias. Também precisa evitar a exposição ao sol por, no mínimo, 30 dias.

Resultado final

Geralmente, o resultado final de toda cirurgia plástica é percebido em seis meses, tempo necessário para a plena cicatrização. Contudo, na cirurgia de pálpebra caída, o resultado pode ser alcançado após dois ou três meses.

Lembre-se: a blefaroplastia deve ser realizada por um cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC). Ele poderá propor o melhor tratamento para a harmonização e o rejuvenescimento de seu olhar.